Availability: Disponível

INERTES

Autor(a): Pedro Nilo
SKU: 978-65-84634-43-5-1

R$49,90

Livro em Pré-venda até 15 de julho
Previsão de saída: A partir de Agosto

INERTES

Terceiro livro do poeta Pedro Nilo, a obra Inertes, é um retrato crítico, cínico e irônico do Brasil contemporâneo. Tendo como pano de fundo a tensão política do ano de 2022, a fome, os reflexos da pandemia de COVID-19, a crise econômica e social, crimes de ódio contra minorias e fake news, o poeta volta sua poesia para os problemas e questões sociais de seu país. Seu alvo principal, entretanto, não são os problemas em si, mas a indiferença dos brasileiros. Nesse sentido, o principal alvo poético da obra é a inércia do ser humano frente às questões importantes de seu tempo.
Associado ao lirismo e existencialismo que já lhe são conhecidos, Pedro Nilo constrói em Inertes uma poesia forte, rude, problematizadora e provocativa, com vocabulário peculiar e manipulação linguística, constituindo assim, uma obra de notável relevância para a atualidade que vivemos.

Termos da Pré-Venda:

  • Livros em pré-venda estão no final do processo de editoração e serão impressos após a finalização da pré-venda.
  • Portanto, possuem previsões de entrega iniciais e descritas acima em “Previsão de saída” . Esta data constitui a data a partir da qual a editora enviará os pedidos da pré-venda.  Os prazos de entrega destes produtos são uma previsão e podem sofrer alterações posteriores para maior ou menor tempo.
  • Verifique os prazos na descrição do produto antes de efetuar a compra. Atualizações futuras tais como o código de rastreamento após o envio e outras informações serão enviadas ao e-mail informado no ato da compra. Você também pode acompanhar o andamento do seu pedido acessando sua conta no site.

A confirmação da compra do produto em PRÉ-VENDA aplicará na aceitação destes termos.

 

Em estoque

Categoria:

Descrição

Autor

Pedro Nilo

Páginas

64

Gênero

Poesia

Formato

Brochura 14×21

ISBN

9786584634459

Terceiro livro do poeta Pedro Nilo, a obra Inertes, é um retrato crítico, cínico e irônico do Brasil contemporâneo. Tendo como pano de fundo a tensão política do ano de 2022, a fome, os reflexos da pandemia de COVID-19, a crise econômica e social, crimes de ódio contra minorias e fake news, o poeta volta sua poesia para os problemas e questões sociais de seu país. Seu alvo principal, entretanto, não são os problemas em si, mas a indiferença dos brasileiros. Nesse sentido, o principal alvo poético da obra é a inércia do ser humano frente às questões importantes de seu tempo.
Associado ao lirismo e existencialismo que já lhe são conhecidos, Pedro Nilo constrói em Inertes uma poesia forte, rude, problematizadora e provocativa, com vocabulário peculiar e manipulação linguística, constituindo assim, uma obra de notável relevância para a atualidade que vivemos.

 
Peço licença à poesia um momento.
Fui buscar na Física o título desta obra: é que o ser humano às vezes é só coisa. Tratado como tal, portando-se como tal. Vou explicar. Inércia é um conceito da mecânica clássica que pode ser entendido como uma propriedade que os corpos tem de manter a sua quantidade de movimento. Vocês conhecem isso pela expressão “um corpo em repouso tende a permanecer em repouso e um corpo em movimento tende a permanecer em movimento”.
Pois é, aí que está. Essa mesmisse me incomoda. Além de monótona, ela é indiferente. Essa indiferença, ela é responsável pela manutenção das coisas como estão: guerras, fanatismo, alienação, falta de senso crítico, ódio disseminado, desinformação, atrocidades socioeconômicas e humanitárias.
Se o Brasil tá aí pra todo mundo ver, com seus diplomatas, seus mendigos, seus famintos, seus demagogos, seus hipócritas, seus corruptos,
eu pergunto: quem é que são os Inertes do nosso tempo?
Salvo os cegos, impossibilitados de ver a pobreza; salvo os surdos, privados de se abismar com as fake news; salvo os mudos, incapazes de se pronunciar contra essa realidade distópica, todos temos responsabilidade sobre o nosso espaço e o nosso tempo.
Passou da hora de ser mais que meros corpos. A inércia é como a Morte.
 
 

Informação adicional

Peso 110 g
Dimensões 16 × 23 × 5 cm
Autores