Availability: Disponível

Um Canto para Piaf

SKU: 978-65-84634-70-1

R$44,90

Livro em Pré-venda até 03 de agosto
Previsão de saída: A partir de setembro

Um Canto para Piaf

A Quimera, personagem anômala e criativa, é livre e age no presente infinito, enquanto o “eu” vive entre passado e futuro, estrangeiro do próprio tempo. O livro é como uma visita a um museu particular, em que cada texto cria uma imagem com o sentimento das palavras, revelando a tentativa constante de reinvenção e interpretação daquilo que nos atravessa e afeta. Reflete poeticamente sobre contradições, abordando temas como medo, paixão, amor, tédio, revolta e sonhos. O movimento em busca do próprio lugar, entre imensos deslocamentos

Termos da Pré-Venda:

  • Livros em pré-venda estão no final do processo de editoração e serão impressos após a finalização da pré-venda.
  • Portanto, possuem previsões de entrega iniciais e descritas acima em “Previsão de saída” . Esta data constitui a data a partir da qual a editora enviará os pedidos da pré-venda.  Os prazos de entrega destes produtos são uma previsão e podem sofrer alterações posteriores para maior ou menor tempo.
  • Verifique os prazos na descrição do produto antes de efetuar a compra. Atualizações futuras tais como o código de rastreamento após o envio e outras informações serão enviadas ao e-mail informado no ato da compra. Você também pode acompanhar o andamento do seu pedido acessando sua conta no site.

A confirmação da compra do produto em PRÉ-VENDA aplicará na aceitação destes termos.

 

Categoria:

Descrição

Autor

Silvio Valentin Liorbano

Páginas

80

Gênero

Poesia

Formato

Brochura 14×21

ISBN

9786584634701

 

Será a vida toda do artista
Um passar de chapéu pelas estações?
Nova York, Paris, Lisboa, São Paulo, Paraty.
Faz frio na rua deserta do estômago,
Mas a menina canta, canta, canta…
Ainda que ninguém ouça

A arte se dá no campo da generosidade e as ruas acolhem quem espalha sons, cores e cobre retorcido, que toma forma de brincos, colares e anéis – os músicos, pintores, artesãos e poetas soltos pelas ruas do mundo como se fossem pardais urbanos. O que seria das praças e calçadas sem a presença dos artistas e da beleza? O que seria de nós? O livro em suas mãos é anterior a fama – dedica haicais, versos livres e alguma prosa poética numa tentativa de expressar gratidão. Um menino que caminha desde as ruas da infância num bairro da zona sul de São Paulo até alcançar as pedras portuguesas das longas calçadas de Lisboa. Lançar luzes sobre pessoas que se dedicam a enfeitar a vida – nem que sejam as luzes da rede elétrica ou de um improvável cardume de estrelas. Uma rua sem arte é jardim sem girassol.

 

As ruas escorrem material poético, e a voz de Silvio Valentin Liorbano, em “Um Canto para Piaf”, vem nos lembrar disso. Transcende, na verdade, uma lembrança: é um manifesto, uma insistência em perceber as pequenas (grandes) coisas, poética que acompanha o autor desde “Olhos de Engolir Horizonte” (Patuá, 2020). Em “Um Canto para Piaf”, que gostei muito de apelidar, pelas próprias palavras do autor, como “Metade do que importa, ou o inteiro de tudo(?)”, é possível perceber o caminho de um eu-lírico que, durante andanças pelas ruas do Brasil e de Portugal, insere os olhos dos que o leem na vida ambígua do artista de rua – entre o eco global da possibilidade de valorização, ou que sejam breves palmas, ao oco da invisibilidade, ou pior, de um estômago vazio. “O menino que carregava água na peneira”, de Manoel de Barros, lembra-me muito a poética de Liorbano, uma vez que, enquanto aquele insistia em carregar água na peneira, transformando pelas palavras pedras em flores, Sílvio vem encher de asas vazios de asfalto, ou como em “Galos e Poetas”, “despertar o homem”; e posso contrariar nosso eu-lírico – esse despertar não é em vão. Edith Piaf, consagrada cantora francesa, veio do asfalto, criou asas e começou seus primeiros pios de pardal numa esquina qualquer de Paris. Edith foi vista, ouvida, percebida e merece ser lembrada. No poema que dá nome à nova obra poética de Sílvio Liorbano, o poeta nos diz: “Faz frio na rua deserta do estômago/Mas a menina canta, canta, canta…” e essa menina, que foi um dia Piaf, é um pouco de cada artista que insiste ou resiste. A obra de Liorbano é uma melodia necessária à contemporaneidade e rege um coro de vozes cotidianamente silenciadas – Pedro, Jonathan, Jhon, meninas e meninos sem nome: mamulengueiros que carregam a fagulha da criatividade nas costas “cabem” no poema, como Gullar fazia caber na poesia o preço do arroz e o preço do feijão. Sílvio escuta a poesia dos artistas de rua e leva o leitor ao encontro dela: poesia mambembe, simplesmente poesia: erma, invisível, à espera – “metade do que importa ou inteiro de tudo”.

Amanda Kristensen de Camargo
Doutora em Letras, escritora das obras “Pelas Frestas” (Patuá, 2022) e “Entre-Terras” (2020), leitora e amiga.

Informação adicional

Peso 130 g
Dimensões 16 × 23 × 5 cm
Autores